e s p e c i a l   p a i s           
Ajude-o a desembaraçar-se

 

Com que idade o seu filho deve saber tomar banho sozinho, lavar os dentes, passear o cão ou ir a pé para a escola? Cada criança tem uma evolução própria, mas os pais podem e devem ajudar os filhos a conquistar a autonomia.

Por Ana Cáceres Monteiro, in Activa nº 161, Abril 2004

Educar é interagir com os filhos, conversar, trocar ideias, aprender com eles. respeitar a sua individualidade e as suas diferenças. Orientar, autorizar, proibir e às vezes, castigar. Dar preferências, tirar dúvidas, resolver problemas mas, principalmente, ajudá-los a desenvolver a sua autonomia. Da infância até à adolescência, idade em que os miúdos começam a fazer vida fora de casa, há uma série de etapas que é preciso ultrapassar: atar os sapatos, atravessar a rua, lavar os dentes...

Qual é a idade indicada para fazer estas coisas sozinhos? Deverá esta autonomia ser conquistada gradualmente, de forma natural, ou são os pais que devem exigi-la desde cedo? Deixamos-lhe algumas pistas...

Tomar banho sozinho

Nem todas as crianças encaram o banho da mesma forma: variam entre os verdadeiros 'peixes', que adoram as brincadeiras aquáticas e a quem só falta crescer guelras; os 'gatos escaldados', a quem a água apavora e que gritam desesperados debaixo do chuveiro; e os indiferentes, que encaram o banho como uma mera necessidade. A maioria das crianças sabe lavar-se sozinha a partir dos sete, oito anos. Antes disso convém que sejam vigiadas por um adulto, pois pode dar-se o caso de escorregarem, baterem com a cabeça e perderem os sentidos. Caso a criança, apesar de já ter chegado a essa idade, continue a ter medo da água, os pais devem esperar um pouco mais para que o faça sem ajuda. Frequentar aulas de natação pode ajudar a ultrapassar essa fobia.

Comer sem ajuda

No tempo das nossas avós, acreditava-se que a mãe que pusesse um filho de dois ou três anos a comer sozinho 'não queria ter trabalho'. Reinava a convicção de que uma progenitora extremosa dava a papinha à boca dos meninos, obrigando-os a comer tudo até ao fim, nem que para isso fosse necessário andar atrás deles pela casa com o prato na mão. Essa cultura do 'obrigar a comer' dava maus resultados. As crianças criavam uma relação culpabilizante com a comida, vendo a hora da refeição como uma tortura e não como um prazer, e utilizando a recusa da refeição como um meio para castigar as mães. Hoje em dia os educadores e pedagogos são unânimes em afirmar que o ideal  é que o bebé comece a comer sozinho quanto antes, mesmo que para isso tenha que começar a fazê-lo com as mãos. Não estamos a aconselhá-la, obviamente, a passar a sopa para a mão do seu filho de 12 meses, deixando que ele se lambuze todo, a si e à cozinha toda. Mas com essa idade pode ir apanhando uns grãos de arroz e o peixe ou a carne partidos aos bocados, assim como legumes. com cerca de 18 meses dê-lhe uma colher de plástico, que ele irá começar a manipular e por volta dos 2 anos e meio já poderá comer bastante bem sozinho, fazendo ainda um pouco de sujidade à sua volta. Poderá comprovar que, uma criança que como sozinha, fá-lo com mais prazer e, a 'velha escola' que nos perdoe, em maior quantidade.

Lavar os dentes

Uma criança não desenvolve a capacidade de lavar os dentes sozinha antes dos 4 ou 5 anos. Antes disso será difícil que consiga fazê-lo em condições, sendo provável que engula muita pasta e os dentes fiquem mal escovados. Até aos 10 anos é preciso supervisionar a lavagem de vez em quando, dizendo-lhe que deve alcançar o interior e exterior dos dentes, insistindo mais na gengiva que propriamente nos dentes e não esquecendo a língua. No caso da criança ter menos de 3 anos, deve ser a mãe a fazer a higiene oral, com uma dedeira de borracha especial para o efeito (vende-se nas farmácias e nos supermercados) que á vendida com uma pasta especial, com pouco flúor, concebida para poder ser engolida.

Escolher a roupa

Algumas crianças querem escolher o que vestem desde muito cedo, outras continuam a aceitar de bom grado as escolhas da mãe já com sete ou oito anos. Ainda que as combinações de roupa eleitas pelos miúdos nem sempre sejam as mais famosas, convém dar-lhes algum voto na matéria. Deixe o seu filho escolher, por exemplo se quer vestir a camisola azul ou verde se quer levar os sapatos ou as botas.  É um bom exercício que irá ensiná-lo a tomar decisões. Mas dixe bem claro que você tem a palavra final a este respeito: e que usar sandálias num dia de chuva torrencial ou botas de borracha no Verão está fora de questão.

Atar os sapatos

A capacidade de fazer um laço com os atacadores depende do desembaraço motor de cada criança, mas em geral, apesar de a lateralidade (discernimento entre a esquerda e a direita) surgir apenas aos sete anos, a maioria dos miúdos consegue atar os sapatos entre os 4 e os 6 anos.

Ter um animal de estimação

Esqueça a ideia de dar um cão à sua filha apenas quando ela poder responsabilizar-se em exclusivo por ele: dar-lhe de comer, dar-lhe banho, levá-lo à rua, ao veterinário... Se assim for só só lhe poderá dar o animal quando ela tiver 18 anos. Claro que, a partir dos 8 ou 10 anos, uma criança pode ajudar a cuidar de um animal, mas daí a fazê-lo sozinha vai uma grande distância. Portanto animais em casa só se os pais quiserem, gostarem e poderem tomar conta deles. Mais vale assim do que satisfazer o desejo das crianças para depois terem de dar o cão ou o gato por não terem vida para tomar conta dele.

Atravessar a rua

É de evitar a todo o custo que uma criança ande sozinha na rua antes dos dez anos, pois até essa idade não desenvolveu a capacidade de se aperceber a que distância vêm os carros nem que significado têm os sinais de trânsito. Antes disso também não têm estatura que lhes permita uma boa visibilidade, nem maturidade suficiente para compreender as consequências de ser atropelado.

Estudar sozinho

Os pais podem ajudar o filho a tirar maior rendimento do estudo, deixando para trás a postura de apenas se limitarem a cobrar resultados e ordenar 'vai estudar! Já fizeste os trabalhos de casa hoje?'. A criança precisa de autonomia para aprender a ser responsável. Não faça tudo por ela. A sua ajuda pode passar por fazer uma curta revisão da matéria dada nesse dia nas aulas. Com o passar do tempo, aprenderá a fazer a revisão sozinha. O segredo de uma sessão de estudo rentável passa pela organização. Para que se estabeleça uma rotina de estudo, os pais devem estipular os horários para estudar e brincar. não imponha aos seus filhos a sua maneira de estudar, que varia muito de pessoa para pessoa. Com a idade, o seu filho irá descobrir quais os métodos mais eficazes para ele. Não esqueça que, à hora do estudo, a televisão deve estar desligada e os irmão mais novos a brincar noutra divisão, porque os ambientes agitados interferem na concentração.

Ter semanada

Apesar da capacidade de administrar dinheiro não estar desenvolvida antes da adolescência, é positivo que,  por volta dos oito anos, a criança comece a administrar pequenas somas de dinheiro e a ter uma pequena semanada. A partir dos 13 anos pode passar a dar-lhe uma mesada, para que o jovem aprenda, a planear os seus gastos e a ser responsável. Converse com ele sobre como pretende aplicar o dinheiro.

Estar sozinho em casa

Dependerá da maturidade de cada criança, mas a generalidade os especialistas em educação considera prematuro fazê-lo antes doa 14 anos. Até essa idade o jovem pode não saber reagir em caso de emergência, um incêndio, um acidente ou a abordagem de um estranho que toque à campainha ou tente seduzi-lo por telefone. De qualquer modo, se os pais têm suficiente confiança num filho de 10 ou 11 anos para o deixar sozinho em casa, devem certificar-se que estão em local visível os números de telefone para os quais a criança deve ligar em caso de necessidade.

Dormir em casa de um amigo

Certos miúdos dormem em casa de outras pessoas sem se importarem nada, logo desde bebés. mas existem crianças mais agarradas aos pais, pouco habituadas a serem tratadas por terceiros, para quem passar a noite fora pode ser um drama. Se o seu filho se inclui nesse segundo grupo vai ser difícil dormir em casa de um amigo ou familiar, pelo menos sem fazer uma grande birra, antes dos 6 ou 7 anos, Nestes casos costuma ajudar levar consigo alguns objectos que lhes sejam familiares: a sua almofada de eleição, o edredão ou o boneco de peluche preferido. Os  pais devem deixar bem claro que vão buscá-lo no dia seguinte e que pode falar com eles pelo telefone sempre que desejar.

início da página